Apresentação

Gerar, disseminar e debater informações sobre BEBIDAS ISOTÔNICAS, sob enfoque de Saúde Pública, é o objetivo principal deste Blog produzido no Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde - LabConsS da FF/UFRJ, com participação de alunos da disciplina “Química Bromatológica” e com apoio e monitoramento técnico dos bolsistas e egressos do Grupo PET-Programa de Educação Tutorial da SESu/MEC.

Recomenda-se que as postagens sejam lidas junto com os comentários a elas anexados, pois algumas são produzidas por estudantes em circunstâncias de treinamento e capacitação para atuação em Assuntos Regulatórios, enquanto outras envolvem poderosas influências de marketing, com alegações raramente comprovadas pela Ciencia. Esses equívocos, imprecisões e desvios ficam evidenciados nos comentários em anexo.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

São Paulo repõe sais perdidos no suor dos jogadores

O fisiologista do atual campeão brasileiro desenvolveu uma fitinha que contém grande quantidade de sódio e potássio. O resultado apareceu no campo: ganho de rendimento.



video


No futebol, o atual campeão brasileiro tem um desafio e tanto pela frente. Se passar pelo Corinthians e chegar às finais do Campeonato Paulista, o São Paulo terá que disputar sete partidas em 21 dias. O repórter Bruno Laurence mostra como o clube recupera os jogadores em maratonas como essa.

Pernas para correr, sem parar, por 90 minutos. Após o jogo, esse é o resultado.
"A gente, dentro de campo, termina suando bastante e perdendo muita água, muitos sais", conta Jorge Wagner, meio-campo do São Paulo.

A hidratação ajuda na reposição do que se perde na transpiração, seja com água ou bebidas isotônicas, ricas em sais minerais. Mas só isso não é o suficiente quando falamos de alto rendimento. O São Paulo estudou o suor dos jogadores e verificou a quantidade de sódio e potássio que cada atleta perdia na transpiração.

Jorge Wagner costuma correr 13 quilômetros em 90 minutos e perde, em média, três quilos, que representam três litros de suor.

Para repor a quantidade de sódio e potássio perdidos durante uma partida, o jogador teria que tomar o suco de seis laranjas ou comer quatro bananas.Então, por que não servir algumas frutas no intervalo do jogo? “Para você absorver depois de digerir uma banana ou uma laranja, você vai precisar de, pelo menos, em torno de uns 40 minutos a uma hora, tempo que o jogo já acabou”, explica o fisiologista do São Paulo, Turíbio Leite de Barros.

O avanço veio ano passado. O fisiologista encontrou uma solução. É algo tão pequeno que quase não é possível ver. Uma fitinha que contém grande quantidade de sódio e potássio, que parece uma folha de papel. Assim que é dissolvida na língua, ela entra no organismo.

O estudo mostrou que Jorge Wagner, por exemplo, precisa de oito fitas para repor os 120 gramas de sódio que perde durante um jogo. O zagueiro Renato Silva corre menos. Os 60 gramas de sódio perdidos por ele são repostos com a metade da dose de Jorge. Tudo feito antes e no intervalo das partidas.

O resultado aparece no campo: ganho de rendimento, que pode fazer a diferença entre a derrota e a vitória. Há um ano e meio, ninguém tem cãibras no time. A fadiga muscular demora mais para chegar.

“A gente faz a nossa parte dentro de campo e a comissão técnica e a parte médica também tem feito a parte deles fora de campo, nos deixando em condições de correr os 90 minutos”, afirma Jorge Wagner.

Fonte: Jornal Nacional - Edição do dia 06/04/2009
Disponível em : http://jornalnacional.globo.com/Telejornais/JN/0,,MUL1075820-10406,00-SAO+PAULO+REPOE+SAIS+PERDIDOS+NO+SUOR+DOS+JOGADORES.html

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Algo mais sobre bebidas Isotônicas

Entre as bebidas isotônicas mais conhecidas, temos os repositores hidroeletrolíticos (bebidas como Gatorade e Marathon) e os reidratantes orais (Pedialyte, Rehidrat).
Eles variam em suas osmolalidades e, conseqüentemente, em sua composição. Essas diferenças têm o respaldo da legislação.

Abaixo, temos alguns exemplos de rótulos e tabelas com as composições de algumas dessas bebidas:

Repositores Hidroeletrolíticos
Portaria 222 (24/3/1998):
“São produtos farmacêuticos formulados a partir de concentrações variadas de carboidratos, com o objetivo de reposição hídrica e eletrolítica decorrente da prática de atividade física”
“(...) devem apresentar concentrações variadas de Na, Cl e carboidratos.
(...) podem conter K, vitaminas e/ou minerais.”

Reidratantes Orais
Portaria 108 (25/7/1991):
- “Composição dos produtos para reidratação oral (por litro de água)”:
Na: 90 mEq; K: 20-25 mEq; Cl: 80 mEq; Citrato (lactato, acetato ou bicarbonato): 30-25 mEq; glicose: 111mMol”

- “Composição dos produtos para prevenção da desidratação e manutenção da hidratação (por litro de água):
Na: 40-60 mEq; K: 20 mEq; Bicarbonato (ou base correspondente): 1/5 a 1/3 dos ânions, sendo o restante Cl; glicose: 110-140mMol”

Rótulos:
Gatorade:













Marathon:













Tabela 1: Composição de alguns Repositores Hidroeletrolíticos












Tabela 2: Composição de alguns Reidratantes Orais








Tabela 3: Comparação entre Pedialyte e Gatorade








Nesta última tabela é importante notar que nenhuma das bebidas possui a mesma osmolalidade sangüínea (285 mOsm/l).
Mais detalhes, ver post abaixo.

Postado por:
Ana Clarissa Cardoso Peixoto
Marta da Cunha Lobo Souto Maior

domingo, 13 de julho de 2008

Se Gatorade, Pedyalite 90 e Pedialyte 45 são bebidas isotônicas, por que elas têm osmolalidades diferentes?


Gatorade e Pedialyte são chamados de bebidas isotônicas porque sua osmolalidade é semelhante aos fluidos do nosso corpo (sangue). Nesse caso, osmolalidade é o número de partículas osmoticamente ativas de soluto presente em 1 kg de água.
Essa definição nos coloca frente a uma dúvida: como ambos podem ser semelhantes ao sangue se a osmolalidade dos dois é tão diferente?
Para sabermos isso, temos que entender como ocorre a absorção dessas bebidas: água e eletrólitos.
A absorção de água acontece por um mecanismo conhecido como gradiente osmótico estacionário. Ou seja, a entrada de eletrólitos na célula do intestino “atrai” a água da luz do intestino para dentro da célula. À medida que a água vai entrando, o meio intracelular vai ficando menos concentrado ao longo da célula. Quando chega na base da célula, próximo aos capilares sanguíneos, esse fluido se encontra isotônico em relação ao sangue. Então, os íons e a água fluem para os capilares onde são carregados para o resto do corpo.
Portanto, essas bebidas atingem a isotonia no interior da célula. Dessa forma, o que torna a bebida isotônica não é sua osmolalidade em si, mas o metabolismo da pessoa que a ingeriu.
Postado por:
Ana Clarissa Cardoso Peixoto
Marta da Cunha Lobo Souto Maior.

quarta-feira, 9 de julho de 2008






















As bebidas isotônicas são soluções cuja concentração de moléculas (osmolalidade) é semelhante aos fluidos do nosso corpo (280-340 mosmol/kg) e, portanto, podem ser incorporados e transferidos para a corrente sangüínea através do processo osmótico.São usadas principalmente para repor água e sais minerais perdidos pela transpiração ou outras formas de excreção, pois não interferem no equilíbrio hidroeletrolítico do corpo. São bebidas isotônicas: o soro caseiro, água de coco, e outros isotônicos industrializados como Gatorade, SportDrink, Marathon, SportFluid, SportAde,etc.

ÁGUA DE COCO
A água de coco é considerada um isotônico natural por ser rica em minerais, sendo uma bebida diurética, livre de gordura, ajudando no bom funcionamento do intestino; sua ingestão ajuda no metabolismo alimentar e aumenta a sensação de saciedade. A presença de eletrólitos tais como sódio e potássio na água de coco possibilita a uma absorção mais rápida, recuperando as perdas destes minerais através da urina e da pele. Além disso, a água de coco é a única bebida isotônica natural disponível comercialmente.
A água de coco corresponde a aproximadamente 25% do peso do fruto, e sua composição básica apresenta 93% de água e 5% de açúcares, além de proteínas, vitaminas e sais minerais.

QUALIDADE E CONSERVAÇÃO


Quando o coco é verde, essa parte é pouco desenvolvida e mole, guardando muita água no seu interior. Á medida que o coco vai amadurecendo, a parte carnosa se torna mais consistente e a água diminui. O coco verde está adequado para consumo quando sua casca é fibrosa e carnuda, com um tom esverdeado e se o núcleo está bem duro. Além disso, a polpa deve apresentar-se tenra com consistência cremosa.O coco fresco, ainda fechado, pode ser conservado por 2 meses. Depois de aberto, a polpa deve ser consumida no mesmo dia ou conservada em geladeira por até 5 dias.

Água de Coco – Tabela Nutricional – Composição para 200ml

Valor calórico......................40 kcal
Carboidrato.........................10g
Proteínas..............................0g
Lipídios.................................0g
Colesterol.............................0g
Fibras...................................0g
Potássio................................320mg
Fósforo.................................10mg (0,7% R.D.A*)
Cálcio....................................40mg (5% R.D.A*)
Sódio.....................................40mg (3,2% R.D.A*)
Magnésio..............................10mg (3,2% R.D.A*)


* Dose alimentar diária recomendada

Fonte: Amacoco – Água de Coco da Amazônia Ltda.